Em um país com desemprego em 13%, sobram vagas no ramo da tecnologia 

O mercado da tecnologia é o que mais emprega, mas a baixa qualificação é um problema

O mundo está passando por uma gigantesca revolução tecnológica. O modo como as pessoas vivem e trabalham mudou – e precisamos identificar e entender os efeitos desse processo de transformação.

Na primeira revolução industrial, tivemos o surgimento da indústria têxtil; na segunda, fomos marcados pela descoberta de energia elétrica. Hoje, as ondas de inovação começaram com o computador, seguiram com a internet e, agora, somos tomados pela inteligência artificial, pela robótica e pela ciência de dados.

A diferença é que a velocidade de crescimento da mudança digital tem sido muito mais rápida do que as demais. No Brasil, um país com o número atual de 13,4 milhões de desempregados, ou 12,7% da força de trabalho, há um setor que o desemprego ainda não atingiu.

O segmento da tecnologia tem, apenas considerando startups, 5 mil vagas abertas. Em todo o ecossistema de tecnologia, as empresas tinham a previsão de abrir até 70 mil novas vagas neste ano. Em Santa Catarina há pelo menos 700 vagas em aberto no setor – que representa 5,6% do PIB do estado, segundo números de 2015. Um resultado de políticas públicas que incentivam o nascimento de empresas de ponta.

Um dos principais gargalos para a expansão do setor no Brasil é a baixa qualificação de profissionais. Há demanda, mas não há número suficiente de profissionais habilitados. De acordo com a Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação (Assespro), a indústria da tecnologia espera dobrar de tamanho até 2024. No entanto, há um descompasso com a qualificação e formação. Faltam profissionais capacitados para assumir as vagas.

Por essa dificuldade, o mercado de tecnologia está mais flexível. Querendo atrair profissionais, as empresas mudaram o olhar diante dos diplomas de cursos técnicos. Cargos antes reservados para graduados, hoje se encontram abertos para quem tem formação técnica.

Além disso, os negócios adotam ferramentas para testar a competência técnica e a capacidade de solucionar problemas dos candidatos independentemente da formação acadêmica.

Os profissionais habilitados para os empregos de ponta são escassos, faltam pessoas capacitadas para assumir essas vagas abertas. Os cursos de Ciência da Computação não estão mais moldados em relação às demandas do mercado, é preciso atualizar o currículo dos graduandos e investir em políticas públicas de fomento à formação tecnológica.

Com isso, podemos continuar avançando e, cada vez mais, valorizar atividades novas que usem, ao invés da mão de obra, a criatividade humana.

*Para mais artigos de nossos colunistas CLIQUE AQUI*

Daniel Leipnitz – Presidente ACATE
Daniel Leipnitz - Graduado em administração pela Universidade do Estado de Santa Catarina - ESAG (1997), MBA em Administração Global pela Universidade Independente de Lisboa e mestrado em administração de empresas pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2002). Atualmente é Diretor Corporativo e de Relações Humanas na Visto Sistemas, empresa com atuação nacional. Exerce também a função de presidente eleito da ACATE (Associação Catarinense de Tecnologia), entidade catarinense com aproximadamente 1100 associados, onde foi Diretor Financeiro entre 2008 e 2016 e Diretor Social de 2007 a 2009. Foi Diretor Financeiro do i3 Instituto Internacional de Inovação de 2012 a 2016. Ocupa a Diretoria de Novos Ambientes de Inovação na Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec). É Tesoureiro do Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina (IEL), membro do Conselho Especial da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC), ligado diretamente ao Presidente da entidade e Conselheiro da Previsc. É Conselheiro da FAPESC (Fundação de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica do Estado de Santa Catarina) e Diretor de Tecnologia da ADVB/SC (Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil). Tem experiência na área de Administração, com ênfase em estratégia, estruturação de empresas, financeira e sistemas de gestão empresarial.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui