Mínimo Produto Viável (MVP) – 4 Exemplos e como implementar na sua empresa

Veja exemplos de empresas que implementaram o MVP antes do produto final 

O MVP (Minimum Viable Product), que em português é conhecido como Mínimo Produto Viável, resumidamente está ligado ao mínimo que um produto deve ter antes de entrar no mercado.

Segundo a Plano Consultoria, o conceito de mínimo produto viável consiste em validar o potencial de uma ideia de produto/serviço antes de investir recursos para colocá-lo no mercado. É como um processo de experimentação de como a ideia será recebida pelos consumidores em potencial.

O MVP requer estratégia e criatividade, para que seja criada uma versão simplificada do que se pretende oferecer ao mercado. É uma maneira de testar como o produto/serviço será recebido, além disso, oferece a possibilidade de aperfeiçoar a ideia, por meio do feedback por parte dos consumidores em potencial.

Através desse conceito, a organização consegue desenvolver hipóteses em torno da viabilidade da ideia e se realmente é capaz de atender à demanda que pretende.

É comum que inicialmente se confunda produto mínimo viável com protótipo, mas vale o esclarecimento de que não se trata de uma versão criada para não dar certo. O conceito de MPV pretende o contrário, convencer de que aquele produto/serviço tem valor para o público e grande probabilidade de sucesso.

O produto mínimo viável é parte do produto final, ou seja, é como oferecer uma “experimentação” antes da versão final.

Exemplos de Produto Mínimo Viável

Muitas empresas de sucesso no mundo implementaram os MVPs antes do produto final, dentre elas:

Facebook

A ideia inicial da “Rede Social” ou do que inicialmente era chamado de The Facebook, era propor a interação de jovens de universidades norte-americanas por meio de mensagens.

A possibilidade da troca de mensagens já era uma realidade em outros sites, mas o Facebook se tornou o grande sucesso que é porque diferente das demais plataformas, era simples. O MVP dessa rede social foi experimentado inicialmente pelos estudantes de Harvard, a partir daí, percebeu-se a potencialidade do serviço.

Instagram

Uma das mais importantes redes sociais, também teve a sua versão simplificada que permitia que as pessoas pudessem compartilhar fotos com um número reduzido de filtros. Já havia aplicativos de fotos, mas o que tornou o Instagram um sucesso foi a possibilidade de unir a função de compartilhamento de imagens com a edição em uma única plataforma.

Dropbox

O Dropbox é uma das mais importantes plataformas de armazenamento de arquivos em nuvem e o seu MVP foi um dos mais simples e bem-sucedidos.

Quando a plataforma estava prestes a ser lançada, foi publicado um vídeo de apenas 30 segundos para explicar a funcionalidade do projeto. Aqueles que se sentissem interessados poderiam se cadastrar através do e-mail e quando o serviço fosse lançado poderiam ser os primeiros a testar.

O vídeo teve grande sucesso e mais de 70 mil pessoas se cadastraram. Essa foi uma maneira inusitada de testar o produto.

Amazon

A Amazon entrou no mercado como uma livraria que oferecia maior praticidade aos clientes, seus principais concorrentes eram as livrarias físicas. A proposta do site simples e venda de livros com preços mais baixos logo a destacou no mercado.

Depois desse crescimento, a empresa não parou de inovar e hoje vende muito mais além de livros, o que a tornou conhecida hoje como “A Loja de Tudo”.

Implementando o Produto Mínimo Viável (MVP)

Time engajado

É preciso contar com pessoas dotadas de habilidades para avaliar todas as possibilidades em torno de um produto. É fundamental que o time seja dotado de visões estratégicas.

A equipe precisa de visão de negócios; conseguir fazer a análise assertiva se aquele produto/serviço do ponto de vista financeiro é viável.

Em meio aos colaboradores, é preciso que haja a habilidade do design thinking, que se refere ao pensamento de como o produto será utilizado e se o cliente se sentirá satisfeito.

Não se pode pensar no produto mínimo viável sem pensar estrategicamente na engenharia do produto, ou seja, se aquele produto tem condições de ser produzido de maneira fácil e em escala, atendendo a uma demanda.

Definição do produto/serviço

Depois de definida a equipe de criação é o momento de se pensar nas primeiras características do produto/serviço (o nome e sua definição). Após isso, é necessário descrever as funcionalidades do produto e é preciso que se tenha descrita a maneira atual de como ocorre a execução em torno do produto.

Esse é o momento em que o time pode alinhar as ideias em torno do produto que será implantado no mercado.

Perfis/Personas de clientes ideais

É fundamental que se pense profundamente no público-alvo do MVP. Partindo dessa análise, alguns perfis de público devem ser criados.

Esses perfis, também conhecidos como personas, devem reunir todas as informações necessárias como: nome, gênero, classe social, desejos, quais são os gostos pessoais, quais problemas têm que o MVP pode solucionar.

Eliminação de excessos

É natural no processo da criação do MVP que sejam eliminadas as propostas que não são fundamentais. É preciso que o time pense em conjunto em quais são as funcionalidades essenciais que merecem ser priorizadas para a criação do produto mínimo viável.

Metas estipuladas

Depois de definidas as características do produto e do público-alvo, é o momento da organização pensar em quais os resultados que se deseja obter com a implementação do MVP no mercado.

O que norteará o processo de produção e divulgação é o objetivo que se espera alcançar. É preciso ter bem claro o que se pretende validar com o produto no mercado.

Mesmo que o MVP indique falhas, é uma oportunidade para repensar a maneira de oferecer o produto/serviço. A validação de uma ideia é fundamental para que recursos não sejam desperdiçados com um produto/serviço e para que se possa oferecer o melhor ao público.

-> Para mais contéudos sobre empreendedorismo na região CLIQUE AQUI <-

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui